SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Prescrição inadvertida de antibióticos como causa de hemocultura negativa em Endocardite Infecciosa - um alerta para dificuldades diagnósticas

Valente GV, Ziotti SDV, Spina GS
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

INTRODUÇÃO

A endocardite infecciosa (EI) é uma doença de apresentação clínica diversa e alta morbimortalidade. Hemocultura positiva é critério maior para diagnóstico, segundo os critérios da Duke University - e é essencial para a antibioticoterapia dirigida na EI. O tratamento de pacientes com EI e hemocultura negativa leva à maior uso de antibióticos e dificuldades na condução do paciente.

 

RELATO DE CASO

Paciente feminina, 58 anos, antecedente de febre reumática, prótese mitral biológica implantada há 7 anos, insuficiência cardíaca e fibrilação atrial. Iniciou febre vespertina associada à sudorese noturna por 2 meses. Foi atendida em hospital primário, onde recebeu diagnóstico de pneumonia e tratamento com azitromicina e prednisona. Houve redução da febre apenas por alguns dias, levando-a em nova consulta, sendo novamente tratada para pneumonia com claritromicina. Referiu procedimento dentário 6 meses antes sem antibioticoprofilaxia. Tendo em vista a manutenção da febre, procurou novo serviço médico, sendo solicitadas hemoculturas e ecocardiograma transesofágico (ECO-TE) para investigação de EI. A hemocultura foi negativa; no entanto, o ECO-TE evidenciou vegetações na prótese mitral, com a maior medindo 1.3 cm, sem sinais de disfunção protética. Com o diagnóstico de EI de hemocultura negativa, foi internada para antibioticoterapia endovenosa, com oxacilina e ceftriaxone por 6 semanas, tendo boa evolução e não havendo indicação cirúrgica durante o curso da doença. 

 

DISCUSSÃO

Por sua alta morbimortalidade, o diagnóstico e tratamento precoce da EI é essencial. Em valvopatas, deve ser sempre considerada: cerca de 75% dos pacientes com EI possuem anormalidade cardíaca pré-existente. Dados da literatura mostraram que mais de 54% (64/118) dos casos de EI encaminhados para hospital terciário tinham diagnóstico incorreto, que se associou a pior prognóstico. O diagnóstico equivocado, além de adiar a correta intervenção, pode levar à antibioticoterapia inadequada e prejudicar a análise da hemocultura. A endocardite de hemocultura negativa pode representar 2.5-70% de todos os casos de endocardite.

 

CONCLUSÕES

Frente a pacientes cardiopatas febris, com sintomas de síndrome consumptiva, fenômenos vasculares e imunológicos, deve-se ter alerta quanto à possibilidade de EI, mesmo com resultados negativos de hemocultura. Antes de qualquer antibioticoterapia nestes pacientes deve ser colhida ao menos dois pares de hemoculturas.

 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021