SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Angiotomografia de coronárias em pacientes oncológicos submetidos à cirurgia de grande porte

Cristina Salvadori Bittar, Isabela Bispo Santos da Silva Costa, Antonio Fernando Lins de Paiva, Marcio Sommer Bittencourt, Luis Francisco Avila, Thamara Carvalho Morais , Julia Tizue Fukushima, Roberto Kalil Filho, Ludhmila Abrahão Hajjar
Incor - SAO PAULO - SP - Brasil, ICESP - SAO PAULO - SP - Brasil

Introdução 

• As complicações cardiovasculares estão entre as principais causas de morbidade e mortalidade em pacientes submetidos à cirurgia não cardíaca.

• Escores de risco e testes funcionais são a estratégia de escolha para avaliar esses pacientes, no entanto, mais de um terço dos eventos (MACCE-Major Cardiac and Cerebrovascular Events) perioperatórios ocorrem em pacientes com um estudo negativo.

• A angiotomografia computadorizada de coronária (CTCA) e o escore de cálcio coronário (CAC) estão emergindo neste contexto como um importante preditor de resultados clínicos.

Métodos 

Estudo prospectivo observacional, e centro único (ICESP- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo)

Critérios de Inclusão

Pacientes oncológicos

ü  Cirurgia oncológica de grande porte ( torácica e abdominal aberta)

ü  Idade acima de 45 anos

ü  Sem sintomas cardiovasculares

ü  Pelo menos 2 fatores de risco: doença vascular periférica, idade > 70 anos, história de AIT ou AVE

ü  Tabagista ou ex-tabagista

ü  Dislipidemia

ü  Diabetes mellitus

ü  Hipertensão arterial

Critérios de Exclusão

ü  Alergia a contraste iodado

ü  Insuficiência renal com creatinina ≥ 2mg/dL

ü  Cardiomiopatia prévia

ü  Indicação clínica de teste invasivo ou funcionalü 

Pré operatório

·       Consulta com cardiologista

·       Angiotomografia de coronária pré-operatória

·       Dosagem de perfil lipídico e NT pró BNP

·       ECG

Resultados 

 

A ocorrência de principal evento cardiovascular e cerebrovascular (MACCE) foi observada em 6 pacientes (7,1%). Injúria miocárdica ocorreu em 45,2% dos casos, insuficiência renal aguda em 23,8%, reinternação após a alta hospitalar em 14,3% e eventos tromboembólicos em 3,6%

A doença coronariana obstrutiva foi identificada em 17,8% dos pacientes e de escore de cálcio > 100 em 35,7% dos pacientes.

A proporção de DAC obstrutiva foi maior no grupo MINS (31,4 vs. 8,7%, p=0,072). Com relação ao escore de cálcio (CAC), CAC < 100 foi detectado em 78,3% dos pacientes sem MINS e em 40% dos pacientes com MINS. CAC >100 foi mais prevalente no grupo MINS (60,0% vs. 21,7%, p=0,005) 

 

Conclusão

Os resultados parciais mostraram uma relação do escore de cálcio com a ocorrência de MINS e na análise multivariada a menor glicemia pré-operatória e o maior tempo de anestesia maior como preditores de eventos   

 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021