SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

PERICARDITE CONSTITIVA NO BRASIL: RELATO DE CASO DE UMA DOENÇA POUCO LEMBRADA E COM EPIDEMIOLOGIA OBSCURA.

Larissa Nogueira de Toledo, André Henrique Nogueira de Toledo, Isabella Cherkezian Guiguer, Maria Julia Silveira Souto, Fernanda Cruz Caetano dos Reis, Helena Delfino Gueiral, Manuela Gomes de Aguiar, Marcelo Gustavo Lopes
Hospital de Clínicas da Unicamp - Campinas - São Paulo - SP

INTRODUÇÃO: A pericardite constritiva (PC) consiste em uma inflamação crônica com fibrose e à adesão das camadas pericárdicas, resultando em um pericárdio com restrição do enchimento ventricular diastólico e conseqüente redução de débito cardíaco. Um aumento da pressão venosa desencadeia sinais e sintomas congestivos. A etiologia da doença pericárdica abrange causas infecciosas, pós-terapêuticas, reumatológicas ou neoplásicas. RELATO DE CASO: Masculino, 60 anos, sem comorbidades prévias, admitido no pronto-socorro queixando-se de dispnéia aos mínimos esforços há 01 semana. Relata dispnéia progressiva, ortopneia e anasarca iniciados há 6 meses.  Ao exame físico paciente apresentava-se anasarcado, com bulhas cardíacas hipofonéticas, abdome ascítico e hepatomegalia a 8 cm do rebordo costal direito. Radiografia de tórax revelou derrame pleural bilateral associado a calcificação das camadas pericárdicas. Solicitado ecocardiogramatranstorácico e o diagnóstico de pericardite constritiva foi realizado.  Tomografia computadorizada de tórax confirmou espessamento e calcificação difusa do pericárdio. O paciente foi submetido a pericardiectomia e anatomopatológico demonstrou extensa fibrose e calcificação, sem processo inflamatório prévio. Devido a epidemiologia local, optado por realizar tratamento empírico para pericardite infecciosa por Micobacteriumtuberculosis. Paciente evoluiu assintomático após procedimento, com remissão completa do quadro.DISCUSSÃO E CONCLUSÃO: A PC é uma doença que deve ser incluída no diagnóstico diferencial de pacientes com síndrome de insuficiência cardíaca. Exames complementares como ecocardiograma, tomografia computadorizada e ressonância magnética do coração poderão ser necessários. Etiologia idiopáticas e pós-terapêuticas (pós-radiação ou pós-operatório) são mais prevalentes em países desenvolvidos. As causas infecciosas (virais e tuberculose) predominam nos países em desenvolvimento, sendo a tuberculose responsável por 22 a 91% dos casos. O Brasil ainda tem uma epidemiologia desconhecida da pericardite constritiva.A intervenção precoce e o tratamento adequado de derrames pericárdicos e pericardite aguda, além de profilaxia em pacientes submetidos à pericardiotomia, são importantes na prevenção da PC. Casos tratados de maneira adequada raramente desenvolvem constrição pericárdica. Uma vez estabelecido o diagnóstico, pericardiectomia cirúrgica ainda é o tratamento definitivo para forma crônica, portanto, sempre deverá ser considerada.

Radiografia e tomografia de tórax - Espessamento e calcificação pericárdica difusa. 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021