SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Sucesso Terapêutico na Ruptura Traumática de Aorta com Tratamento Endovascular: Relato de Caso.

Aislan Henrique Bezerra Pinheiro, Jose Honorio de Almeida Palma da Fonseca, Diego Felipe Gaia dos Santos, Hyong Chun Kim, Paulo Mateus Sanches de Souza, Luiz Augusto de Andrade Costa, Carlos Alberto Teles, Walace de Souza Pimentel, Leonardo Paiva Ohashi
UNIFESP - Univers. Federal de São Paulo - São Paulo - SP - Brasil

 

Introdução: A lesão contusa de Aorta é uma condição pouco comum, acometendo menos de 1% das vítimas de trauma, porém com alta taxa de mortalidade pré-hospitalar, se tornando a segunda principal causa de morte por traumatismo contuso.  Os atuais avanços no atendimento ao trauma, com melhor gestão pré-hospitalar além da maior acurácia e disponibilidade dos métodos diagnósticos tem resultado num aumento da incidência em unidades de pronto atendimento e tornando o conhecimento do manejo e intervenções precoces uma necessidade. A realidade na abordagem nesses paciente tem admitido um "novo padrão de cuidado", com uma morbidade e mortalidade significativamente menor com o reparo endovascular.  Reportaremos nossa experiência na abordagem de um paciente com lesão da aorta secundária a um trauma contuso.

 

Caso: Homem, 46 anos, vítima de acidente no local de trabalho, após ser "enterrado" sob uma parede desmoronada, apresentava sinais vitais estáveis, Escala de Coma de Glasgow 15. Referia queixa de desconforto respiratório com piora ao decúbito dorsal, associado a dor torácica agravada pela palpação e movimentos respiratórios. Exame hematológico revelou uma hemoglobina 7,1 g/dl. O exame tomográfico evidenciado fratura de múltiplas costelas associado a pequeno pneumotórax à direita, com enfisema subcutâneo difuso e volumoso derrame pleural bilateral, maior à esquerda. Em topografia de istmo de aorta, constatou-se extravasamento de contraste ativo com irregularidade do contorno medial da porção posterior do arco aórtico. O paciente foi transferido para a sala de cirurgia híbrida para intervenção endovascular.

Realizado acesso à aorta torácica através da dissecção da artéria femoral direita e implante de endoprótese de aorta. Drenado tórax bilateralmente. Após a cirurgia, a hemodinâmica do paciente estava estável. O paciente foi devolvido à unidade de terapia intensiva (UTI) e recuperou da anestesia sem intercorrências.

 

Conclusão: A lesão da aorta torácica acomete frequentemente a região do istmo, podendo se justificar pela tensão entre o arco aórtico e a aorta descendente ou ainda mecanismo de oclusão da aorta, consequente do aumento da pressão no abdome e tórax no trauma contuso.O momento da cirurgia e opções terapêuticas, incluindo cuidados conservadores e cirurgia tardia deve ser decidido considerando o estado hemodinâmico, tipo de lesão aórtica e urgência de lesão coexistente. Investigações quanto ao candidato ideal para abordagem endovascular e os resultados a longo prazo da intervenção devem ser encorajados.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021