SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

O Uso da Ecocardiografia transesofágica 3D como auxílio terapêutico no implante percutâneo na valva mitral (valve in valve) pela abordagem transseptal

Ana Carolina Buso Faccinetto, Julia Cristina Souza, Carla Adriana Rodrigues da Fonseca, Raphael Luz da Silva, Karen Larissa Rodrigues, Gianluca Polles Raduan Andreoli, Marcelo Di Lorenzo, Gertraudes Gomes, Renato de Aguiar Hortegal, Henry Abensur
HOSPITAL BENEFICÊNCIA PORTUGUESA - - SP - BRASIL

Introdução:As valvopatias mitrais apresentam elevada incidência no Brasil, sendo a doença reumática a principal etiologia. A via percutânea tem se tornado cada vez mais utilizada em pacientes com alto risco cirúrgico tanto, nos casos de valvas nativas quanto nas disfunções de biopróteses (valve in valve).O uso do ecocardiograma transesofágico (ECO-3D) tem sido auxiliar nesses procedimentos.

 

Relato de Caso: 67 anos, sexo feminino, com sintomas de insuficiência cardíaca de início recente. Antecedente pessoal de valvopatia mitral reumática com troca valvar prévia e acidente vascular hemorrágico.O ECO prévio evidenciou FEVE de 68%, AE: 57 mm, ventrículo esquerdo:46x31 mm.Prótese biológica mitral com redução da abertura dos folhetos e flail do folheto anterior com refluxo mitral importante e jato dirigido para a parede livre do AE, gradiente AE-VE médio de 11 mmHg, área valvar estimada pelo método de PHT de 1,2 cm²,função do ventrículo direito preservada e pressão sistólica de artéria pulmonar: 85 mmHg (Fig 1;2 e 3).Em virtude,ao alto risco cirúrgico e de sangramento da paciente, foi optado pela realização do procedimento via percutânea  (valve in valve) com acesso transseptal, sendo o ECO-3D utilizado no correto posicionamento da prótese percutânea no interior da prótese biológica, o que proporcionou um resultado hemodinâmico excelente: endoprótese em posição mitral com boa abertura dos seus folhetos,gradiente AE-VE médio de 5 mmHg, área valvar (PHT) de 1,8 cm² e ausência de fluxos peri-protéticos (Fig4 e 5).A paciente apresentou alta com 72 horas de internação.

 Discussão:Valve in valve tem se mostrado um tratamento efetivo na disfunção da bioprótese valvar mitral em pacientes com alto risco cirúrgico.O uso do ECO-3D tem sido uma ferramenta eficaz como guia nos procedimentos percutâneos e neste caso específico na abordagem valve in valve transseptal. Em nosso serviço, o treinamento com a ECO-3D tem sido incentivado, principalmente associado aos procedimentos percutâneos. Apesar do uso do ECO -3D necessitar de treinamento especializado e investimento, o seu uso deve ser estimulado, já que neste caso favoreceu ao excelente resultado,diminuição de intercorrências e ao curto período de internação.

 

Conclusão˸Por se tratar de uma nova tecnologia, o ECO- 3D ainda apresenta baixa disponibilidade nos serviços, porém deve ser estimulado, já que, auxilia nos tratamentos minimamente invasivos.

Fig1 IM importante

 

Fig 2 Flail

 

Fig3:ECO-3D Prótese  biológica com estenose

 

Fig 4 Durante o procedimento 

Fig5:Resultado final Endoprótese liberada

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021