SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Existe diferença entre os gêneros no manejo da doença coronariana crônica no Brasil? - Dados de um registro brasileiro

Pinesi, HT, Moreira, EM, Bolta, PMP, Pitta, FG, Rached, FH, Segre, CAW, Favarato, D, Lima, EG, Garzillo, CL, Serrano Jr, CV
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

Introdução:

Existem diferenças relatadas tanto na apresentação clínica quanto no manejo da doença arterial coronariana entre homens e mulheres, entretanto os dados na população brasileira são escassos. Esse estudo tem como objetivo descrever essas diferenças e o seu impacto no prognóstico.

 

Metodologia:

Pacientes em seguimento ambulatorial com antecedentes de infarto agudo do miocárdio, cirurgia de revascularização miocárdica, angioplastia coronariana ou angina estável com lesões coronarianas acima de 50% documentadas na cineangiocoronariografia foram incluídos no registro. Esses pacientes foram seguidos por 2 anos e avaliados para incidência do desfecho primário composto de morte, infarto agudo do miocárdio ou acidente vascular encefálico.

 

Resultados:

Foram incluídos 625 pacientes, sendo a média de idade de 65 anos (DP 9,6) e 209 (33.4%) mulheres. As mulheres apresentavam uma pressão sistólica maior (134 vs 128 mmHg, p < 0.01), maior prevalência de doença renal crônica (definida como clearance de creatinina menor que 60 mL/min, 42.1% vs 31.8%, p < 0.01) e menor prevalência de disfunção ventricular (15.6% vs 31.2%, p < 0.01). Mulheres também possuíam maiores níveis de colesterol total, LDL e HDL (180 vs 156 mg/dL, 102 vs 87 mg/dL and 50 vs 42 mg/dL, respectivamente, com p < 0.01 em todas as comparações). A prescrição de inibidores do sistema renina-angiotensina-aldosterona foi igual entre homens e mulheres, contudo mulheres apresentam uma maior prescrição de bloqueadores do receptor de angiotensina II (48.8% vs 32.2%, p < 0.01), e homens uma maior prescrição de inibidores da enzima conversora de angiotensina (53.6% vs 38.8%, p < 0.01). Não houve diferença na prescrição de anticoagulantes, antiplaquetários, estatinas ou outros hipolipemiantes, betabloqueadores ou bloqueadores de canal de cálcio. A taxa estimada do desfecho primário composto nos dois anos de seguimento foi de 4.8% (95% CI 2.8 - 6.7%). O gênero não foi um preditor de pior prognóstico na análise ajustada (HR 1.86, 95% CI 0.62 - 5.6). 

 

Conclusão:

A despeito das mulheres apresentarem um pior controle dos fatores de risco, com níveis superiores de pressão arterial e de LDL-colesterol, o gênero não foi uma variável preditora de prognóstico no seguimento de 2 anos de pacientes com doença arterial coronariana.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021