SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Comparações entre os indicadores da Transposição das Grandes Artérias: uma análise epidemiológica

Elisa Kalil , Carolaine de Oliveira, Daniela Witz Aquino, Diego Paixão Côrtes Aguiar
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - Canoas - RS - Brasil

INTRODUÇÃO: A Transposição das Grandes Artérias (TGA) é uma cardiopatia cianótica, na qual a Artéria Aorta se origina no Ventrículo Direito e a Artéria Pulmonar se origina no Ventrículo Esquerdo, que acomete 1 a cada 3000 nascidos vivos. O diagnóstico é fundamentado pelo exame físico e confirmado com o ecocardiograma e cateterismo cardíaco. A correção depende da idade e de outras doenças coexistentes, mas na maioria dos casos utiliza-se a técnica cirúrgica de Jatene para correção ainda no período neonatal. Desse modo, pode-se realinhar os vasos da base do  coração,  promovendo uma correção anatômica e fisiológica, o que devolve a concordância ventrículo-arterial. 

MÉTODOS: Estudo observacional, descritivo e transversal realizado através dos dados disponíveis no DATASUS (SIH/SUS) de 2015 a 2020, analisando aspectos por região como número e caráter de internações, taxa de mortalidade, e gastos dos procedimentos realizados para a correção da Transposição das Grandes Artérias.

RESULTADOS: Na análise, foram observadas as seguintes taxas de mortalidade pela cirurgia de correção da má formação das grandes artérias para cada região do país, sendo elas, em ordem decrescente: Norte (40,74%); Sul (35,04%); Centro-Oeste (28,57%); Sudeste (25,45%); Nordeste (25,42%) e neste contexto a média nacional é de 28,60%. O número de internações foi de 528 pacientes, sendo 224 da Região Sudeste (correspondendo a 42,42%) e apenas 27 correspondem à Região Norte. O valor total gasto em procedimentos hospitalares para a correção da TGA foi de R$15.163.408,22, sendo que à Região Sudeste gastou 41,79% do total (R$6.338.006,29) e a Região Norte apenas 4,79% (R$727.385,46). A média da permanência hospitalar foi de 16,9 dias no país, as regiões Norte e Nordeste são as únicas abaixo deste valor com médias, respectivamente, de 9 e 13,5 dias. As demais regiões demonstraram valores similares, porém a maior média pertence à Região Centro-Oeste (19,3 dias). Ademais, observou-se que quando comparadas as Regiões Sudeste e Nordeste, ambas possuem taxas de mortalidade semelhantes, porém a média de permanência no hospital na Região Sudeste possui acréscimo de 4,6 dias.

 

CONCLUSÕES: Portanto, a Região Norte apresentou as menores médias de permanência, números de internação e menor valor investido, porém a maior taxa de mortes. Em contrapartida, a Região Sudeste foi a que mais investiu nesta área e apresentou o maior número de internações por TGA e a segunda menor taxa de mortalidade.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021