SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Treinamento físico potencializa o efeito de maleato de enalapril na modulação autonômica cardiovascular em modelo experimental de hipertensão arterial

SHECAIRA, T. P., ARAUJO, A. A., PAIXÃO, C., DIAS, D. S., BERNARDES, N., STOYELL-CONTI, F. F., IRIGOYEN, M. C., DE ANGELIS, K.
UNIFESP - Univers. Federal de São Paulo - São Paulo - SP - Brasil

Introdução:Atualmente, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte por doenças não transmissíveis no mundo. A hipertensão e a inatividade física são importantes fatores de risco para essas doenças. Para esta população, é recomendado tratamento farmacológico anti-hipertensivo e treinamento físico pelos efeitos na redução da pressão arterial (PA) e melhora nos parâmetros de variabilidade cardiovascular. Entretanto, sob efeito da combinação desses tratamentos, o impacto na variabilidade da PA e da frequência cardíaca (FC) ainda não foi totalmente compreendido. Objetivo: Investigar os efeitos do treinamento físico combinado (TFC) associado a tratamento farmacológico sobre a PA, FC e variabilidade cardiovascular. Método: Ratos machos SHR foram divididos em 2 grupos: sedentário + enalapril (MSE; n=6) e treinado + enalapril (MTE; n=6). Ambos os grupos foram tratados com 3mg/kg/dia de maleato de enalapril na água de beber durante 8 semanas. O grupo MTE foi submetido ao TFC com intensidade de 40-60% da capacidade máxima, 3 dias por semana.  Ao final do protocolo, os animais foram submetidos a canulação da artéria carótida e da veia jugular para registro direto da PA e FC. A variabilidade da PA e da FC foi avaliada no domínio do tempo e da frequência. Resultados: Nos testes aeróbico e resistido, o grupo MTE (2,7±0,1km/h; 852±26,06mg) apresentou aumento quando comparado ao seu teste inicial (p=0,0001) e ao MSE (2,0±0,1km/h; 603±30,02mg) ao final do protocolo. Não houve diferença entre os grupos na FC (p=0,11). No entanto, grupo MTE apresentou menor PA média (162,4±2 vs. 177,6±1mmHg) e componente simpático vascular (9,89±2,08 vs. 23,73±1,78mmHg²) comparado ao MSE. Não houve diferença entre os grupos no desvio padrão da média (p=0,19) e na variância da PA sistólica (p=0,19). Em relação à variabilidade da FC, o grupo MTE (11,1±2,0ms) apresentou aumento no índice rMSSD em relação ao grupo MSE (5,4±0,8ms). Na variância da FC (p=0,2411), no desvio padrão (p=0.8337) e na banda de baixa frequência (p=0,9717) não houve diferença entre os grupos. Na banda de alta frequência o grupo MTE (50,8±3,8%) apresentou aumento em relação ao grupo MSE (28±5,5%). Não houve diferença entre os grupos no balanço simpato-vagal (p=0,3972). Conclusão: O TFC associado ao tratamento com enalapril induziu redução adicional da PA, aumento na modulação parassimpática cardíaca e redução do componente simpático vascular em relação ao tratamento farmacológico isolado.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021