SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Perfil da capacidade funcional baseado no teste de caminhada em pacientes com hipertensão resistente e apneia obstrutiva do sono de moderada a grave

João Carlos Moreno de Azevedo, Elizabeth Silaid Muxfeld, Michel Silva Reis
Grupo de Pesq. Aval. Reab. Cardiorrespiratória (GECARE) / Faculdade de Fisioterapia / UFRJ - RJ - RJ - BR, Programa de Hipertensão Arterial / HUCFF / UFRJ - RJ - RJ - BR

Introdução:A hipertensão arterial resistente (HAR) é definida como a falência em controlar a pressão arterial (PA) de consultório apesar do uso de três ou mais anti-hipertensivos e que apresenta como causas secundárias a apneia obstrutiva do sono (AOS) com diminuição da capacidade funcional. Neste contexto, a determinação do perfil funcional dos pacientes é fundamental para o adequado manejo clínico e para a segurança e assertividade dos programas de reabilitação cardíaca baseada em exercício físico. Objetivos: Determinar o perfil funcional de hipertensos resistentes com apneia obstrutiva do sono por meio da ergoespirometria durante o teste de caminhada de 6 minutos. Métodos: Estudo de análise transversal em hipertensos resistentes com apneia moderada a grave da coorte de um Programa de Hipertensão Arterial (ProHArt). Foram avaliados por meio do teste de caminhada dos 6 minutos (com medida direta de oxigênio através do Analisador de Gases VO2000) pacientes de 18 a 70 anos em acompanhamento regular há pelo menos 3 meses no ProHArt, com diagnóstico de AOS moderada a grave (IAH >15) determinado por polissonografia e que aceitaram participar do estudo. Não participaram do estudo pacientes com déficit cognitivo que dificultasse a realização do teste, intercorrências clínicas recentes (menos de 6 meses), pacientes com limitações funcionais (ortopédicas e reumatológicas), surgimento de intercorrências clínicas que impeçam o paciente de serem avaliados. Neste sentido, os pacientes foram divididos em dois grupos: (i) HAR com AOS moderada; e (ii) HAR com AOS grave. Resultados: De uma coorte de 117 pacientes com HAR+AOS, 92 se submeteram à avaliação da capacidade funcional, sendo: com média de idade de 60,9 ±7,9 anos, IMC de 32,8±5,1 Kg/m2, 43,5% homens, com IAH de 16 a 30/h (n=39) e > 30/h (n=53). Os pacientes caminharam em média 482 metros. Os valores dos gases respiratórios nos HAR moderados e HAR graves foram: VE (26,0 ± 16,7 vs 26,1 ± 12,4L/min), VO2 (12,33 ± 4,30 vs 12,61 ± 4,41 ml-1/kg/min-1), VCO2 (13,05 ± 4,65 vs 13,69 ± 5,88 ), RQ (1,08 ± 0,25 vs 1,07 ± 0,21), VE/VO2 (24,0 ± 4,6 vs 23,6 ± 5,5L.min/ml-1.kg.min-1), VE/VCO2 (22,4 ± 3,8 vs 22,3 ± 4,0L.min/ml-1.kg.min-1), VO2/FC (12,4 ± 4,4 vs 11,5 ± 4,0 mL-1.bat./min). Conclusão: os pacientes com HAR com AOS moderada e grave apresentaram baixa capacidade funcional sem diferenças entre os grupos.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021