SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Perfil de pacientes com doença arterial coronariana submetidos à revascularização do miocárdio

Regina Queiroz Machtura, Mariana Cappelletti Galante, Sonia Lucena Cipriano, Luiz Aparecido Bortolotto
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

Introdução: A doença arterial coronariana representa uma das maiores causas de morbimortalidade no mundo, ocasionada por isquemia do seio coronariano devido desequilíbrio entre oferta e demanda de oxigênio. Pode ser classificada, na forma crônica, como angina estável, e, na forma aguda, como angina instável, infarto com supra e sem supra de seguimento ST. Verificar os fatores de risco prévios de maior incidência é útil para conhecer o perfil nesta população. Métodos: Trata-se de um estudo observacional e retrospectivo, desenvolvido em um Hospital terciário especializado em Cardiologia, no período de Outubro a Dezembro de 2019, sendo incluídos pacientes que estiveram internados na Unidade Clínica de Coronariopatias Crônicas, em até 30 dias pós-procedimento cirúrgico de revascularização  do miocárdio. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de São  Paulo/USP, com número do Certificado de Apresentação de Apreciação Ética nº  39061020.8.0000.0068. Resultados: Foram avaliados os prontuários eletrônicos de 127 pacientes. Os pacientes tinham idade média de 63 anos (41 a 79 anos), sendo 95 (74,8%) do sexo masculino, com o índice de massa corpórea média de 26,8 kg/m² (19,6 a 37,8 kg/m2). Dentre os fatores de risco cardiovascular, os de maior incidência foram: hipertensão arterial em 94 pacientes (74%), diabetes mellitus em 64 pacientes (50,3%), tabagismo prévio em 52 pacientes (41%), dislipidemia em 44 pacientes (34,6%), histórico familiar para doença arterial coronariana em 22 pacientes (17,3%), tabagismo ativo em 15 pacientes (11,8%) e 15 (11,8%) pacientes com histórico de etilismo. Dos pacientes avaliados, 38 (30%) já haviam apresentado quadro de Infarto do miocárdio previamente a internação vigente. Em relação ao motivo de internação, 91 (71,7%) apresentavam doença arterial coronariana crônica, 21 (16,5%) por Infarto com supra de seguimento ST e 15 (11,8%) por Infarto sem supra de seguimento ST. Conclusão: Os pacientes submetidos à revascularização do miocárdio tendem a possuir um número elevado de comorbidades, sendo a maior porcentagem de pacientes do sexo masculino, metade com histórico de tabagismo e um terço com quadro de infarto prévio. A identificação dos fatores de risco de maior incidência para o desenvolvimento desta enfermidade podem corroborar com estratégias de prevenção e promoção em saúde visando à minimização de eventos cardiovasculares e melhor abordagem da equipe médica e multiprofissional.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021