SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Anuloplastia tricúspide em desfechos intra-hospitalares em Pacientes com Insuficiência Tricúspide Submetidos a Cirurgia Valvar Mitral

Tainá T. Viana, Rodrigo M. V. D. Melo, Gustavo P. Santana, Luanna M. Damasceno, Maria T. C. F. Fernandes, Arthur C. Tolentino, José V. D. S. Santos, Pedro F. Soares, Raissa B. Lima, Luiz C. S. Passos
Hospital Ana Nery - Salvador - BA - Brasil

Introdução: A cardiopatia reumática crônica é uma condição prevalente em países subdesenvolvidos.  A insuficiência tricúspide (IT) secundária, em geral, tende a progredir quando realizado tratamento isolado da lesão valvar esquerda, principalmente quando IT associada à dilatação do anel tricúspide. As principais diretrizes de valvopatias recomendam que a IT seja tratada como parte do procedimento cirúrgico índice, evitando piora na qualidade de vida e intolerância ao esforço, principalmente nos grupos de pacientes com fibrilação atrial, etiologia reumática e em pacientes com próteses mau-funcionantes.  Devem ser considerados os riscos e benefícios quanto à correção da IT quando há disfunção de ventrículo direito (VD) e hipertensão pulmonar, devido à possibilidade de falência de VD após a cirurgia. Os dados para a população com IT de etiologia reumática, entretanto, permanecem reduzidos.

Objetivo: Avaliar o impacto na mortalidade cirúrgica da anuloplastia tricúspide concomitante em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca por doença valvar mitral reumática, que apresentam insuficiência tricúspide moderada a grave.

Métodos: Esta é uma coorte prospectiva de 1º de janeiro de 2017 a 30 de dezembro de 2020. Todos os pacientes maiores de 18 anos submetidos à cirurgia cardíaca para correção de valvopatia mitral reumática com insuficiência tricúspide moderada a significativa foram incluídos. O desfecho primário foi mortalidade em 30 dias.

Resultados: foram incluídos 165 pacientes, 98 (59,4%) foram submetidos à anuloplastia da valva tricúspide. A média de idade foi de 46,5 (± 12) anos, 122 (73,8%) eram do sexo feminino, a fração de ejeção do ventrículo esquerdo mediana foi de 60,0% (54 - 67) e a sPAP foi de 55,0 mmHg (46 - 74), com 50 (32,3 %) indivíduos com disfunção ventricular direita. A mortalidade geral em 30 dias foi de 17 (10,3%) pacientes e não houve diferença entre os grupos submetidos ou não à correção da tricúspide: 12 (12,2%) versus 5 (7,5%); p = 0,44, respectivamente.

Conclusão: Em pacientes com cardiopatia reumática submetidos à cirurgia cardíaca por valvopatia mitral reumática, realizar anuloplastia tricúspide em indivíduos que apresentavam insuficiência tricúspide moderada a grave não foi associada a aumento da mortalidade cirúrgica.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021