SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Fatores Preditores associados ao autocuidado em pessoas com insuficiência cardíaca

Marco Antonio Gomes da Silva, Beatriz Murata Murakami, Camila Takao Lopes, Vinicius Batista Santos, Eduarda Ribeiro dos Santos
Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein - São Paulo - São Paulo - Brasil, Escola Paulista de Enfermagem - UNIFESP - Sao Paulo - Sao Paulo - Brasil

Introdução: Conhecer os fatores associado ao autocuidado em pessoas com doenças crônicas não transmissíveis é imprescindúivel no estabelecimento de intervenções visando a prevenção de readmissões. Objetivo: identificar os preditores relacionados ao autocuidado em pacientes com insuficiência cardíaca. Método: Estudo transversal com abordagem quantitativa com pessoas maiores de 18 anos com IC há pelo menos 6 meses. A coleta de dados foi realizada em um ambulatório de um hospital especializado em Cardiologia do estado de São Paulo. avaliadas as variáveis sociodemográficas e clinicas e o autocuidado pelo instrumento SCHFI v6.2. que é composta pelas subescalas manutenção, confiança e manejo ao autocuidado. Para a realização da regressão simples foram incluídos todas as variáveis sociodemográficas e clinicas que obtiveram valores de p menores que 0,20 na análise univariada. Foi adotado para o modelo de regressão múltipla o método stepwise, buscando manter no modelo final apenas as variáveis com valor p da estatística de Wald menor que 0,05. Para todos os testes aplicados foi considerado significativo valores de p< 0,05. Estudo submetido a aprovado no comitê  sob o número 2.678.512. Resultados: Entrevistados 405 participantes, sendo identificado que 81% apresentavam autocuidado inadequado relacionado a manutenção do cuidado, 75% em relação a confiança e 94% em relação ao manejo. Os preditores para a subescala de manutenção que influenciaram negativamente ao autocuidado foram o número de filhos, a escolaridade, a ocorrência e o número de internações nos últimos 12 meses, o número total de doses diárias de medicamentos e ter obesidade, sedentarismo, tabagismo, hipertensão arterial, insuficiência renal crônica não dialítica e dislipidemia. No que tange a subescala de manejo do autocuidado foi associado negativamente ao autocuidado a presença de filhos casados e o maior o número de filhos e para a subescala de confiança do autocuidado foi associado negativamente ao autocuidado a raça não branca, o maior número de filhos, a ocorrência de internação nos últimos 12 meses, número total de doses diárias de medicamento e ter diabetes, obesidade, sedentarismo, tabagismo, hipertensão arterial, insuficiência renal crônica não dialítica e dislipidemia. Conclusão: Foram identificados diversos preditores que se associaram ao baixo nível de autocuidado. Os pacientes com esses preditores devem ser submetidos a intervenções educacionais mais intensivas evitrando dessa maneira novas descompensações.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021