SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Panorama das mudanças no proteoma do coração de ratos com disfunção cardíaca atenuada pelo treinamento físico aeróbio

Mota, G.A.F, De Souza, S.L.B, Vileigas, D.F, Da Silva, V.L, Sant’Ana, P.G, Bazan, S.G.Z, Buzalaf, M.A.R, Santos, L.D., Gatto, M., Cicogna, A.C.
FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU - - SP - BRASIL, Universidade de São Paulo - USP - Bauru - SP - Brasil

Introdução: O efeito benéfico do treinamento físico aeróbio (TFa) na remodelação cardíaca por estenose aórtica (EAo) tem sido demonstrado em estudos experimentais; contudo, os mecanismos responsáveis pela melhoria da função cardíaca não estão totalmente esclarecidos.O objetivo desse estudo foi verificar por análise proteômica o panorama das proteínas e processos biológicos expressos no miocárdio de ratos com disfunção cardíaca atenuada pelo TFa. Métodos: Ratos Wistar (n=60, 21 dias) divididos em 2 grupos: controle operado - Sham e EAo, inserção de clipe de prata, 0,60 mm, na raiz da aorta. Após 2 semanas da cirurgia, houve redivisão em 4 subgrupos, Sham, ShamTF, EAo e EAoTF. Protocolo de TFa: 5x/semana por 16 semanas, 60% da velocidade de exaustão verificada no teste de esforço máximo. Remodelação cardíaca: avaliada pelo ecocardiograma, 2 e 18 semanas pós cirurgia. Capacidade funcional: mensurada pelos testes de esforço e validada pelo analisador de lactato. Proteoma miocárdico: abordagem shotgun label-free por meio de espectrometria de massas. Estatística: ANOVA complementada com Bonferroni, P<0,05. Resultados: Na 2ª semana, foram diagnosticadas disfunção diastólica, sistólica e hipertrofia concêntrica, visualizadas pela relação E/E’,% Enc. Meso e espessura relativa do VE p<0,05, respectivamente. Ao término do protocolo, o grupo EAo manteve o mesmo padrão de remodelamento; o grupo EAoTF mostrou redução do AE/AO, melhoria da % Enc. Meso e da relação E/E’ (p<0,05) comparado ao EAo; além disso, aumentou a capacidade funcional e diminuiu o lactato sanguíneo (p<0,05). A análise do proteoma mostrou que a EAo aumentou 106 proteínas e diminuiu 59 em relação ao grupo Sham. O TFa modulou a expressão de 113 proteínas, as quais 7 foram mais abundantes e 106 menos abundantes em relação ao grupo EAo. Após análise de enriquecimento Gene Ontology observamos que a EAo aumentou significativamente a via geração de metabólitos precursores de energia e oxido-redução e mostrou diminuição da via metabólica de hexose e do piruvato comparado ao Sham. O grupo EAoTF apresentou indução de vias de transporte de prótons, síntese de ATP e biogênese mitocondrial e repressão das vias metabólicas de piruvato, ATP e processo de oxido-redução. Conclusão:  A cardioproteção gerada pelo treinamento físico aeróbio em ratos com EAo parece estar relacionada com os processos biológicos de transporte de prótons, síntese de ATP e gênese de mitôcondrias. Apoio: CNPq.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021