SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Fluxograma de Atendimento ao Portador de Fibrilação Atrial com COVID-19: Revisão Integrativa

D'AMICO, Mariana Thayla de Souza, GENTIL, Selma Rossi, SIMONETTI, Sérgio Henrique
Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia - São Paulo - São Paulo - Brasil

Fluxograma de Atendimento ao Portador de Fibrilação Atrial com COVID-19: Revisão Integrativa

 

Introdução: O novo coronavírus (SARS-CoV-2) tornou-se um problema de saúde mundial, propagando de forma rápida e contínua, aumentando constantemente a curva de infectados em pacientes com comorbidades. Dentre eles, os cardiopatas são os mais vulneráveis diante das complicações causadas pelo coronavírus. Este estudo objetivou identificar na literatura científica algoritmos de atendimento para os pacientes com Fibrilação Atrial com COVID-19. Método: Trata-se uma revisão integrativa da literatura científica. Utilizou-se o acrônimo PVO (Pacientes; Variáveis e Resultados (Outcome)), para elaboração de estratégias de buscas nas fontes de dados; PubMed, LILACs e MEDLINE, no período 2020 a 2021. Estabeleceram-se como critérios de inclusão: artigos na íntegra, gratuitos, nas línguas portuguesas e inglesas e que abordassem os descritores: Infecção por coronavírus; Arritmias Cardíacas e Pandemia. A análise foi apresentada de acordo com as características clínicas específicas identificadas e de algoritmos e fluxos de atendimentos. Resultados: Dos 291 artigos foram selecionados seis artigos de acordo com os critérios de elegibilidade. Identificou-se que a Fibrilação Atrial (86,5%) é a arritmia predominante em pacientes infectados pela COVID-19, seguida de Flutter Atrial (5,4%), dos quais podem evoluir para as arritmias malignas como Fibrilação Ventricular (28,1%) e Taquicardia Ventricular sem pulso (28,1%), além de Bloqueio Atrioventricular de 1º grau (5,21%) e Bloqueio Atrioventricular Total (7,79%), Bloqueio de ramo direito (8,86%) e Bloqueio de ramo esquerdo (2,86%). Nota-se que na fase latente de infecção por COVID-19, os pacientes apresentaram alterações eletrocardiográficas, em quase 100% de seu tratamento, sendo a Fibrilação Atrial e suas complicações cardíacas não seguiam fluxo sólido e sistemáticos associados com o diagnostico de COVID-19. Conclusão: A revisão literária possibilitou identificar que há falhas durante o atendimento para este perfil de paciente, desde locação do paciente até a monitorização ao tratamento medicamentoso. Percebe-se ainda que a proposta de um fluxograma de atendimento a este perfil de pacientes cardíacos possibilitará uma melhoria considerável no processo de gestão e na assistência de enfermagem em pacientes cardíacos nos serviços de saúde.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021