SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Tendência da mortalidade por doenças cardiovasculares no município de São Paulo durante o isolamento social na pandemia por COVID-19

Lucas Rodrigues de Lima, Paulo Francisco Auricchio da Ponte, Marcelo Henrique Lima Silvestre, Lucca Novais Dias, Antonio de Padua Mansur
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

Introdução: A epidemia por Covid-19 levou a uma sobrecarga no sistema de saúde no município de São Paulo (MSP) em 2020. Os principais hospitais do MSP direcionaram sua atenção aos pacientes com Covid-19 e, devido ao aumento progressivo dos casos, decretou-se o isolamento social (IS). O atendimento das outras doenças ficou comprometido. Dentre essas, estão as doenças cardiovasculares (DCV) que são as principais causas de morte no MSP. Nesse contexto, esse estudo analisou o impacto do IS e do atendimento hospitalar preferencial sobre as mortes por DCV durante a pandemia por COVID-19 no MSP em 2020.

Métodos: Estudo analisou a mortalidade por DCV, doença isquêmica do coração (DIC), doenças cerebrovasculares (DCbV), internações hospitalares por DCV e o IS no MSP no ano de 2020 e comparou-se com as médias de hospitalizações e de mortes por DCV de anos anteriores (2015 a 2019). Os dados mensais de hospitalização e semanais de mortalidade por DCV foram obtidos da Secretaria de Saúde do MSP e as médias semanais do IS do Sistema de Monitoramento Inteligente de São Paulo. As tendências das séries temporais foram analisadas pela regressão linear, assim como as comparações entre essas tendências.

Resultados: as hospitalizações e a mortalidade por DCV reduziram no período de março a dezembro de 2020 (Figura). A maior redução da hospitalização por DCV foi de 47% em mai/2020 e a menor de 11% em nov/2020. As hospitalizações por DCV (R²=0.70; y=-177.19x+12927;p<0,001), DIC (R²=0.70;y=-44.76x+3402.8;p<0,001) e DCbV (R²=0.3869; y=-14.901x+1689.7;p<0,001) tiveram relação inversa com o nível de IS. A maior redução de mortes por DCV foi de 27% em abr/2020 e de 13% em dez/2020. As mortes por DCV (R²=0.49;y=-5.35x+638.44;p<0,001), DIC (R²=0.50;y=-2.80x+260.24; p<0,001) e DCbV (R²=0.26;y=-1.17x+147.13;p<0,001) tiveram relação inversa com o nível de IS. O menor número de hospitalizações por DCV, DIC e DCbV foi, respectivamente, de 3550, 1001 e 886 para IS de 51% e o maior de 5917, 1590 e 804 para IS de 41% (p<0,001). O menor número de mortes por DCV, DIC e DCbV foi, respectivamente, de 386, 135 e 89 para IS de 44% e o maior de 491, 190 e 117 para IS de 32% (p<0,001). A redução da mortalidade por DIC foi maior que a redução das DCbV.

Conclusões: O aumento do isolamento social associou-se com significativa redução das mortes por DCV, DIC e DCbV. A redução das mortes por DIC foi maior que o observado por DCbV.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021