SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Análise de óbitos por Infarto Agudo de Miocárdio ocorridos no Município de São Paulo nos anos de 2019 e 2020

Gabriela Hasselmann, Matheus Augusto Silva, Christopher Serrano Wiegerinck , Paulo Pinto Alves Campos Vieira, Aline Cristiane Cacure Salgueiro , Arthur Vilar de Oliveira Malheiros, Rodrigo Cortizo, Larissa Ventura Ribeiro Bruscky, Carlos Gun
Universidade Santo Amaro - SP - SP - BR

 

INTRODUÇÃO: As doenças cardiovasculares (DCV) são a principal causa de óbito em adultos, sendo o Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) o mais prevalente do grupo. A patologia referida é resultante da necrose isquêmica regional do miocárdio, causada em mais de 80% dos casos por oclusão vascular trombótica em uma Síndrome Coronariana Aguda (SCA).O quadro pode ser representado clinicamente por um desconforto torácico típico com dor isquêmica, fraqueza, náusea ou a combinação desses sintomas. Nos Estado Unidos, em 2020, estudo demonstrou que mais de 30.000 mulheres com até 55 anos foram hospitalizadas com o diagnóstico de IAM. Dessa forma, compreende-se a importância do conhecimento da doença e dos grupos mais atingidos por ela. OBJETIVO: Analisar o número de óbitos por IAM ocorridos no Município de São Paulo de acordo com idade, sexo, cor/raça e escolaridade no ano de 2019 e 2020. MÉTODOS: O estudo elaborado trata-se de uma análise epidemiológica, descritiva, transversal e retrospectiva. Os dados expostos foram coletados do banco informativo de saúde do DATASUS (TABNET) do ano de 2019 e 2020, referente ao número de óbito ocorridos no Município de São Paulo pelo IAM. RESULTADOS: Em 2019, ocorreram 7.035 óbitos por IAM, 57% homens e 43% mulheres. Em 2020 ocorreram 5.810 óbitos por IAM, 56% homens e 44% mulheres. Em 2019, 72% eram brancos, 29% pardos, 6% negros e 2% amarelo. Em 2020 foram 66% brancos, 22% pardos, 8% negros, 2% amarelo e menos de 1% indígena. Em 2019, 30% dos óbitos por infarto ocorreram na população de 1 a 3 anos de escolaridade, 25% de 4 a 7 anos, 22% de 8 a 11 anos e 10% em 12 anos ou mais. Em 2020, 29% dos óbitos ocorreram na faixa de 1 a 3 anos de escolaridade, 22% de 8 a 11 anos, 22% de 4 a 7 anos, 12% de 12 anos ou mais e 6% sem escolaridade. Maiores de 75 anos representaram 42% dos óbitos em 2019, 65 a 74 anos 23%, 55 a 64 anos 20%, 45 a 54 anos 9%, 33 a 44 anos 3%, 25 a 34 anos 2% e 15 a 24 anos 1%. Em 2020, 43% eram maiores de 75 anos, 23% de 65 a 74 anos, 18% de 55 a 64 anos, 9% de 45 a 54 anos, 3% de 35 a 44 anos, 2% de 25 a 34 anos, 2% de 14 a 24 anos e menos de 1% de 1 a 4 anos.CONCLUSÃO: Conclui-se que a etnia branca, o sexo masculino, faixa etária acima de 65 anos e o menor período de escolaridade (1 a 3 anos), foram fatores correlacionados ao aumento do óbito por infarto no Município de São Paulo, indicando a necessidade de prevenção para estes grupos de risco. 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021