SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

COMPARAÇÃO ENTRE A INTERNAÇÃO HOSPITALAR POR HIPERTENSÃO ESSENCIAL NOS ANOS DE 2019 E 2020 NO BRASIL

TELES, DRD, SOARES, SFB, COSTA, BSL, BATISTA JR, LCV, COURA, KA, MOREIRA, BM, LUZ, DS
Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba - Cabedelo - PB - Brasil, Centro Universitário de João Pessoa - João Pessoa - PB - Brasil, Faculdade de Medicina Nova Esperança - João Pessoa - PB - Brasil

Introdução: A Hipertensão Essencial (HE) tem etiologia multifatorial, que inclui fatores intrínsecos e extrínsecos. Estudar hipertensão é fundamental, uma vez que ela afeta cerca de 1,4 milhão de pessoas no mundo e é um fator de risco para outras doenças cardiovasculares. O objetivo deste estudo é comparar a taxa de internação hospitalar de urgência por HE no Brasil nos anos de 2019 e 2020, antes e após o início do isolamento pela pandemia do coronavírus. Método: Realizou-se um estudo ecológico observacional, quantitativo, descritivo, utilizando os dados cedidos pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. O estudo teve como população indivíduos entre 30 e 69 anos de idade, que foram internados devido à HE nos serviços de urgência no Brasil em 2019 e 2020. Considerou-se as variáveis: sexo, faixa etária, local de internação e tempo médio de permanência. Os resultados foram apresentados em forma de frequências absoluta e relativa. Resultados: No ano de 2019 foram registradas 31.481 hospitalizações por HE nos serviços de urgência brasileiros. A região Nordeste teve o maior número de internações, com 11.500 (36,52%), e a Centro-Oeste, o menor, com 2.239 (7,11%). Em 2020, documentou-se 22.729 internações e a região que teve o maior número foi a Nordeste com 8.052 (35,42%) e a Centro-Oeste, o menor, com 1.422 (6,25%). Relatos na literatura expõem que a região mais acometida é a Sudeste, devido à maior população e ao melhor registro dos dados. Comparativamente, entre 2019 e 2020 houve decréscimo de 8.752 internações (27,82%), divergindo da previsão epidemiológica, que pressupôs um aumento do número devido ao comportamento da sociedade atual. Considerando a variável sexo, as mulheres foram as que tiveram um maior número de hospitalizações em 2019 e 2020, 17.966 (57,06%) e 12.450 (54,77%), respectivamente. A faixa etária mais acometida foi entre 60 e 69 anos, com 11.785 casos (37,43%) em 2019 e 8.382 (36,87%) em 2020. As incidências que levaram em conta as variáveis sexo e idade estão de acordo com a literatura, pois apesar de os homens serem mais acometidos, as mulheres buscam mais os serviços de saúde. O tempo médio de permanência foi de 3,4 dias em 2019 e 3,1 em 2020, impactando os custos do sistema de saúde por requerer tratamento especializado. Conclusões: Houve um decréscimo de 27,82% nas internações por HE em serviços de urgência hospitalares brasileiros nos anos de 2019 e 2020, indicando que o isolamento social e as dificuldades enfrentados pelo sistema de saúde devido a pandemia do coronavírus impactou na procura por esses serviços.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021