SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

SARCOMA CARDÍACO INTIMAL: RELATO DE CASO

Giovanna Rolim Pinheiro Lima, Carlos José Mota de Lima, Luiz Gerson Gonçalves Neto, Carolina Gomes Fernandes, Rodrigo Carvalho Paiva, Pedro Henrique Cardoso Nogueira, Thiago Rocha Mapurunga, Ana Yasmin Mapurunga Perdigão, Maria Beatriz Bezerra Pereira, Leticia Cavalcante Lócio
UNICHRISTUS - Fortaleza - Ceará - Brasil

Introdução: As afecções neoplásicas do sistema cardiovascular são raras, com sintomatologia, na maioria das vezes, inespecífica. Mais de 75% dos tumores cardíacos são benignos, e, dentre os 25% malignos, 75% são sarcomas, que têm caráter agressivo, com potencial de disseminação e invasão local, assim como alta taxa de recorrência.

História do paciente: O presente artigo relata o caso de um homem, 44 anos, que apresentou quadro de tosse noturna e palpitações, evoluindo para ortopneia e dispneia em repouso. Foi admitido no serviço de atenção médica onde foi submetido a radiografia de tórax e eletrocardiograma, no qual evidenciou flutter atrial 2:1. Na hipótese de taquicardiomiopatia, foi iniciado tratamento medicamentoso com antiarrítmico e betabloqueador, mas não houve sucesso terapêutico. Depois, realizou-se ecocardiograma transesofágico para considerar a possibilidade de cardioversão elétrica, em que demonstrou massa atrial de ecotextura heterogênea, limites lobulados e pedículo situado no septo interatrial, com medidas de 7,7 x 1,5 cm em seus maiores diâmetros. Além disso, mostrou ampla movimentação, invadindo a cavidade ventricular e o apêndice atrial esquerdos, e impedimento de fluxo da valva mitral, o que sugere mixoma atrial. Foi, então, submetido a exérese de tumor, porém, em razão de dificuldades técnicas, persistiu, possivelmente, resíduo tumoral in loco. No pós-operatório, paciente apresentou ritmo juncional bradicárdico e episódios de fibrilação atrial, foi, então, implantado um marca-passo definitivo no pós-operatório. O histopatológico da peça cirúrgica foi compatível com sarcoma intimal, o que evidencia camada de fibrina sobrejacente e zonas hipercelulares com necrose tumoral focal. No estadiamento, as tomografias de crânio e tórax sugeriram implantes tumorais secundários. Paciente efetua seguimento em centro oncológico com proposta de realizar quimioterapia paliativa.

Conclusão: Sarcomas cardíacos representam um verdadeiro desafio não só no diagnóstico precoce, mas também a nível da terapêutica a ser instituída. Evidencia-se, nesses casos, a relevância da suspeita clínica precoce devido ao alto potencial de disseminação e de complicações associadas. O ecocardiograma transtorácico ou esofágico é essencial para se obter a visualização de tumores cardíacos e seu comportamento intracardíaco.Além disso, a determinação do tipo histológico do tumor por meio da biópsia é de extrema relevância para direcionar o tratamento. O diagnóstico tardio implica em altas taxas de morbidade e mortalidade.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021