SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

ANÁLISE DE FATORES DE RISCO NO TEMPO DE INTERNAMENTO DO TRATAMENTO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Tayane Ribeiro Pienta, Leonardo Gomes Soares
Hospital da Cruz Vermelha - Curitiba - PR - Brasil

Introdução. O infarto agudo do miocárdio é uma das principais causas de morbimortalidade do mundo, e o internamento relacionado, gera riscos intrinsecos e onera o sistemia de saúde. Objetivo deste estudo foi identificar possíveis fatores de risco que contribuam com aumento do tempo de internamento.

Metodologia. Foram incluidos 208 pacientes. O estudo foi realizado de modo retrospectivo através da coleta de informações de prontuários médicos e do banco de dados do serviço de hemodinâmica. Foram incluídos pacientes com infarto agudo miocárdico (IAM), que foram submetidos a cineangiocoronariografia e a angioplastia transcutânea coronariana no período de setembro de 2019 à setembro de 2020. Realizado estudo analítico comparando tempo de internamento em dias com fatores de risco e caracteristicas da doença.

Resultados.  o tempo de internamento aumentou de modo significante nos pacientes com internamento relacionado com COVID-19 (p 0,009) com 2,8 mais dias em média neste grupo. Apresentou significância estatística em pacientes com FE inferior a 50% com média de tempo de internamento de 6,8 dias comparado a 5,1 dias naqueles pacientes sem disfunção sistólica (p <0,001). Houve associação estatistica relacionada ao tipo de IAM (p=0,01). Naqueles com IAM com supra desnivelamento de segmento ST (IAMCSST), média de 5,6 dias, 1,1 dias a mais, que naqueles sem supra desnivelamento de segmento ST. Tempo de internamento aumentou com significancia para os pacientes com acometimento moderada (estenose >50%) de arteria descendente anterior (ADA) (p=0,003) com aumento de 1,1 dias em média no internamento, comparando com pacientes sem acometimento de ADA. Pacientes que apresentaram internamento relacionado a COVID-19, obtiveram significância estatística (p=0,009), com aumento de 2,8 dias no internamento, em média. Naqueles pacientes onde foram identificadas lesões em 3 arterias coronárias, apresentaram aumento do internamento (p=0,47), com média de 5,6 dias, comparado a 5,1 dias em média, naqueles com lesões em 2 arterias, e 5,0 dias em média, naqueles com lesão única.

Conclusão. Em nosso estudo o tempo de internamento apresentou aumento significante nos pacientes com IAMCSST, ADA com acometimento moderado, internamento relacionado a COVID-19, e 3 arterias coronárias acometidas.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021